sexta-feira, 28 de dezembro de 2018

Produtores da Cadeia de Produção do Acre e Rondônia preparam rodada de negócios

A rodada de negócios visa aproximar investidores e viabilizar parcerias comerciais, e está sendo promovida pelo Núcleo Regional Noroeste, da Sociedade Brasileira de Ciência do Solo.

A "I Rodada de Negócios na Integração da Cadeia de Produção de Grãos entre os Estados do Acre e de Rondônia" faz parte da iniciativa do novo Governador do Acre, Gladson Cameli, em fortalecer o agronegócio no Acre, onde a cadeia de produção de grãos será uma das prioridades de seu governo. A Deputada Estadual Mara Rocha também vem trabalhando intensamente para colaborar nesta iniciativa.

O objetivo do evento é aproximar e aperfeiçoar as políticas tributárias, ambientais e de uso da terra para a produção de grãos nos estados do Acre e de Rondônia, bem como possibilitar a troca de experiências e investimentos complementares entre o setor privado dos dois estados.



O evento consistirá em uma viagem de negócios, com saída prevista de Rio Branco, e visita aos municípios de Porto Velho, Cujubim, Ji-Paraná, Cacoal, Vilhena e Cerejeiras.
Nesta viagem, potenciais investidores acrianos do setor da pecuária de corte e grãos poderão conhecer a estrutura de negócios e as possibilidades de investimentos conjuntos com empresários rondonienses no setor de grãos (arroz, soja, e milho), bem como avaliar oportunidades e possibilidade de investimento em parcerias e ou arrendamento de áreas de pastagens no Acre e no noroeste de Rondônia.

Também apoiam a iniciativa, o novo governo do Estado de Rondônia, a Secretaria de Agricultura do Estado de Rondônia, a associação Aprosoja Rondônia, as empresas Amaggi, Rical e Piarara, a Embrapa Rondônia e produtores dos estados do Acre e de Rondônia.

O evento está realizado sem ônus para o poder público dos dois estados, sendo custeado 100% pela iniciativa privada.


O roteiro da viagem de negócios será:

Dia 11 de janeiro:

- Saída de Rio Branco as 8 horas da manhã.
- Jantar em Porto Velho (19 horas), com o Secretário de Estado de Agricultura de Rondônia, Dr. Evandro Padovani.


Dia 12 de janeiro:
- Saída de Porto Velho as 6 horas da manhã.
 - Circuíto Tecnológico na Fazenda Céu Azul  (Patrocinado pelo Grupo Amaggi), a partir das 7:30 horas.

Dia 13 de janeiro:
- Ji-Paraná (11:30 horas): Rodada de negócios com o Sr. Pedro Rack, da Rical
   
- Cacoal (15:30 horas): Rodada de negócios com o Sr. Fernando Berkembrock, da Piarara
   
- Vilhena (20:00 horas): Rodada técnica com o pesquisador Vicente Godinho, da Embrapa Rondônia

Dia 14 de janeiro:
   
- Cerejeiras / Corumbiara / Cabixi (8:30 horas): Visita técnica a sistemas de produção de soja (o lado de dentro da porteira). Roteiro organizado pela Aprosoja Rondônia.
   
- Cerejeiras (19 horas): Rodada de negócios com o sócios da Aprosoja


Dia 15 de janeiro:
   
- Cerejeiras (8:30 horas): Visita técnica a sistemas de produção de soja (o lado de fora da porteira). Roteiro organizado pela Aprosoja Rondônia.
    - Cerejeiras (19 horas): Rodada de negócios com sócios da Aprosoja Rondônia.


Dia 16 de janeiro:
   
- Retorno a Rio Branco

sexta-feira, 23 de novembro de 2018

Mestrado e Doutorado em Agronomia - UFAC - Inscrições abertas

Está disponível o edital de seleção do Programa de Pós-graduação em Agronomia da Universidade Federal do Acre - UFAC

As inscrições poderão ser realizadas em janeiro e a prova escrita ocorrerá no dia 6 de fevereiro.

A novidade deste ano é que a seleção dos candidatos poderá ser feita via online, sem ser necessário envio de documentos físicos pelos serviços de correios.

O link do edital está disponível no site da Universidade, no endereço: 



quarta-feira, 24 de outubro de 2018

Edital de Seleção 2019-2021 - Mestrado em Agricultura Tropical e Subtropical

PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM AGRICULTURA TROPICAL E SUBTROPICAL
EDITAL 2019-2021: EXAME DE SELEÇÃO PARA O MESTRADO
1. Inscrições
As inscrições deverão ser feitas conforme instruções no site www.iac.sp.gov.br link: Pós-Graduação - Processo Seletivo 2019-2021, no período de 2 a 31 de outubro de 2018. A entrega da documentação exigida deverá ser feita na Secretaria de Pós-Graduação do Instituto Agronômico, no prédio “Franz W. Dafert” – setor da Pós-Graduação, sito à Av. Barão de Itapura, 1481, Campinas (SP), das 9 horas às 12 horas e das 14 horas às 16 horas, ou pelos Correios – SEDEX, com data de postagem limite até 31 de outubro de 2018.

2. Documentação exigida
  • Ficha de inscrição
  • 1 foto 3X4.
  • Histórico escolar completo do curso superior, com as reprovações e nome por extenso das disciplinas cursadas (1 cópia simples).
  • Diploma do curso superior (1 cópia simples).
  • Currículo acompanhado das cópias dos documentos comprobatórios.
  • RG (1 cópia simples).
  • 1 carta de recomendação, a qual deverá ser enviada diretamente para secretaria do PPG-IAC pela pessoa que está recomendando o candidato.
  • Para candidatos com vínculo empregatício: carta da empresa concordando e liberando o candidato para a realização do curso.
  • Para pesquisadores do Instituto Agronômico, é exigida apresentação de documento de autorização para realização do curso, emitido pela CATPG (Comissão de Avaliação de Treinamento em Pós-Graduação).
Nota: Não serão aceitas inscrições com documentação incompleta. Será aceita somente a seguinte exceção: caso o candidato ainda não tenha diploma de graduação, poderá apresentar uma declaração da instituição de ensino indicando a data de colação de grau, que deverá ser anterior a 28 de fevereiro de 2019. Neste caso, o diploma de graduação deverá ser apresentado no ato da matrícula ou no decorrer do curso no prazo máximo de seis meses.

3. Seleção e Divulgação dos Resultados
A seleção será realizada nos dias 7, 8 e 9 de novembro de 2018 e compreenderá as seguintes fases, para as três áreas de concentração: 1) análise da documentação apresentada, 2) análise do currículo, 3) prova escrita - específica da área de concentração e 5) entrevista (8, 9 ou 10 de novembro). A prova específica será composta de duas partes: parte A, com questões em língua portuguesa e parte B, com uma ou mais questões em lingua inglesa. Ambas as partes versarão sobre temas da área na qual concorre o candidato. A divulgação dos resultados será no dia 12 de dezembro de 2018, no site www.iac.sp.gov.br/areadoinstituto/posgraduacao/.
A prova escrita será realizada no dia 7 de novembro de 2018.

4. Programa da Prova Escrita
4.1. Área de Concentração: GESTÃO DE RECURSOS AGROAMBIENTAIS
PROVA ESCRITA PARA TODOS OS CANDIDATOS
  • Fertilidade do Solo: conceitos de fertilidade do solo; acidez e calagem; nutrientes e disponibilidade; fertilizantes minerais e orgânicos; reciclagem de nutrientes.
  • Microbiologia do Solo: Estrutura das células procarióticas e eucarióticas; características básicas dos grandes grupos microbianos; Controle de microrganismos: fundamentos, agentes químicos e físicos.
  • Pedologia e Conservação do Solo: Fatores e processos de formação do solo; Componentes do solo; Horizontes e Perfil do solo; Erosão do solo; Formas de erosão; Fatores que atuam no processo erosivo; Propriedades físicas do solo.
  • Climatologia: Clima e tempo; Balanço hídrico; Zoneamento agroclimático.
  • Poluição do Solo: Uso de resíduos orgânicos na agricultura.
LITERATURA RECOMENDADA
  • ABREU JR., C.H.; BOARETTO, A.E.; MURAOKA, T.; KIEHL, J.C. Uso agrícola de resíduos orgânicos potencialmente poluentes: propriedades químicas do solo e produção vegetal. Tópicos Ci Solo, 4:391-470, 2005. Capítulos: Manejo agrícola (p. 427-431), Propriedades dos solos (p. 432-455) e efeitos sobre as plantas (p. 455-458).
  • BERTONI, J. & LOMBARDI NETO, F. Conservação do Solo. São Paulo, Ícone Editora Ltda., 2010. Cap. 7 – Erosão, p. 68-93.
  • LEPSCH, I.F. Formação e Conservação dos Solos. São Paulo: Oficina de Textos, 2002. (capítulos: 1, 2, 3, 4 e 8).
  • ORTOLANI, A.A.; CAMARGO, M.B.P. Influência dos fatores climáticos na produção. In: CASTRO, P.R.C. et al. Ecofisiologia da produção agrícola. Piracicaba: Potafos, 1987, p. 71-81.
  • PELCZAR Jr, CHAN, E.C.S., KRIEG, N.R. Microbiologia: Conceitos e Aplicações – Vol. 1. 2o ed. São Paulo, Makron Books, 1997. 524 p. (capítulos 4, 6, 7, 8, 9 e 10).
  • PEREIRA, A.R; ANGELOCCI, L.R; SENTELHAS, P.C. Agrometeorologia: fundamentos e aplicações práticas. Guaíba: Agropecuária, 478p, 2002.
  • RAIJ, B. van. Fertilidade do solo e manejo de nutrientes. Piracicaba: International Plant Nutrition Institute, 2011. 420 p.
  • REICHARDT, K.; TIMM, L.C. Solo, planta e atmosfera – conceitos, processos e aplicações. 2º ed. Barueri, Editora Manole, 2012. Cap. 3 – O Solo, p. 17-56.
  • TOLEDO, M.C.M.; OLIVEIRA, S.M.B; MELFI, A. Intemperismo e Formação do Solo. p.139-162. In: Teixeira, W; Toledo, M.C.M.; Fairchild, T.R.; Taioli, F. (org.) Decifrando a Terra. São Paulo: Oficina de Textos, 2000.
4.2. Área de Concentração: GENÉTICA, MELHORAMENTO VEGETAL E BIOTECNOLOGIA
PROVA ESCRITA PARA TODOS OS CANDIDATOS
  • Genética: Leis de Mendel (caracteres qualitativos); Interações alélicas e não-alélicas; alelismo múltiplo e incompatibilidade esporofítica e gametofítica; herança extra cromossômica; efeito materno; ligação, permuta genética (crossing-over) e mapa genético; Mutação.
  • Estrutura e funcionamento do material genético, Replicação; Transcrição e Tradução; processamento de RNA, regulação gênica em eucariotos. Marcadores moleculares e aplicações no melhoramento; Transformação genética.
  • Bases citológicas da herança; Mapeamento cromossômico.
  • Divisões celulares (meiose e mitose); Consequências genéticas da meiose; Gametogênese.
  • Mutações cromossômicas; Variações cromossômicas numéricas e estruturais. Cariótipo. Citogenética aplicada ao melhoramento.
  • Melhoramento genético vegetal: Recursos genéticos; Coleções de germoplasma e coleções nucleares; Variabilidade genética (utilização, caracterização e conservação); Reprodução em espécies cultivadas; Tipos de ação gênica; Recombinação genética no melhoramento; Melhoramento de espécies autógamas; Híbridos e seleção recorrente em espécies alógamas; Organismos geneticamente modificados; Importância do Melhoramento Genético Vegetal para a Agricultura tropical e subtropical.
  • Genética de populações, Genética quantitativa: Conceitos; Equilíbrio genotípico; Fatores que afetam as frequências alélicas; Caracteres quantitativos; Interação genótipos por ambientes; Endogamia e heterose; Princípios da experimentação e da análise estatística.
LITERATURA RECOMENDADA
  • ALLARD, R.W. Princípios do Melhoramento Genético das Plantas, Editora Edgard Blucher, 1971.
  • BORÉM, A. & MIRANDA, G.V. Melhoramento de plantas. 5ª. Edição, UFV. 2009. 529p.
  • BANZATTO, D.A. & KRONKA, S.N. Experimentação Agrícola, 3a. Ed., FUNEP, Jaboticabal, 1995
  • CAIXETA, E. T.; OLIVEIRA, A. C. B.; BRITO, G. G.; SAKIYAMA, N. S. Tipos de marcadores moleculares. In: BORÉM, A.; CAIXETA, E. T. (Eds.). Marcadores moleculares. Viçosa, 2009. v.2, p.371-442.
  • CLARK, A.G. & HARTL, D.L. Princípios de Genética de Populações. 4ª. edição. Editora Artmed, 2010, 660 p.
  • DIAS, L.A.S. & BARROS, W.S. Biometria Experimental. 1ª. edição. Editora Suprema, 2009, 408 p.
  • GUERRA, M.S. Introdução à Citogenética Geral. Editora Guanabara, 1988, 154 p.
  • GUERRA, M. & SOUZA, M.J. Como observar cromossomos. Ribeirão Preto, FUNPEC, 2002, 131 p.
  • GRIFFITHS, A.J.F.; WESSLER, S.; LEWONTIN, R.C.; CARROL, S. Introdução à Genética. Editora Guanabara Koogan, 9ª. Edição, 2009, 744p.
  • JUNQUEIRA, L.C.U. & CARNEIRO, J. Biologia Celular e Molecular. Editora Guanabara Koogan, 9ª. Edição, 2012, 350 p.
  • NASS, L.L. et al. Recursos Genéticos e Melhoramento de Plantas. Fundação MT, 2001, 1183 p.
  • NASS, L.L. Recursos Genéticos Vegetais. Editora Embrapa, 2007, 858 p.
  • PIMENTEL-GOMES, F. & GARCIA, C.H. Estatística experimental aplicada a experimentos agronômicos e florestais. Piracicaba: FEALQ, 2002. 309p.
  • RAMALHO, M.A.P. et al. Experimentação em Genética e Melhoramento de Plantas. Editora UFLA, 2ª. Edição, 2005, 326 p.
  • RAMALHO, M.A.P. et al. Genética na Agropecuária 5. Edição. Editora UFLA, 2012 565 p.
  • WATSON J.D. et al. DNA recombinante: genes e genomas. Artmed Editora, 1ª edição, 2008, 474p.
4. 3. Área de Concentração: TECNOLOGIA DA PRODUÇÃO AGRÍCOLA
PROVA ESCRITA PARA TODOS OS CANDIDATOS
  • Fisiologia Vegetal: Metabolismo de carbono (fotossíntese, respiração e crescimento); Relações hídricas; Fitormônios e desenvolvimento.
  • Nutrição de Plantas: Elementos essenciais e funções no metabolismo vegetal; Absorção de nutrientes via radicular e foliar; Transporte, acúmulo e distribuição dos nutrientes nas plantas; Elementos minerais benéficos e tóxicos; Desordens nutricionais; Diagnóstico do estado nutricional das plantas.
  • Sistema de Produção Agrícola: Cultivo protegido; Cultivo hidropônico; Cultivo orgânico.
  • Projetos de pesquisa: Estrutura; Planejamento; Desenvolvimento.
LITERATURA RECOMENDADA
  • BASTOS, L. et al. Manual para elaboração de projetos, relatórios de pesquisa, teses, dissertações e monografias. Rio de Janeiro: Editora LTC, 2003. 240p.
  • EPSTEIN, E.; BLOOM, A.J. Nutrição mineral de plantas: princípios e perspectivas. Londrina: Editora Planta, 2006. 403p.
  • TAIZ, L.; ZEIGER, E. Fisiologia vegetal. Porto Alegre: Artmed, 2004. 719p. por Fisiologia Vegetal - 5ª Ed. 2013.
  • CASTILLA, N. Invernadeiros de plástico – Tecnologia y manejo, Madrid: Mundi Prensa. 2005.462p.
  • FURLANI, P.R.; SILVEIRA, L.C.P.;BOLONHEZI, D.;FAQUIM, V. Cultivo hidropônico de plantas. Campinas, Instituto Agronômico (Bolentim Técnico 180), 1999.52p.
  • NOVAIS, R. F.; ALVAREZ, V.H.; BARROS, N.F.; FONTES, R.L. F.; CANTARUTTI, R.B.; NEVES, J.C.L. Fertilidade do solo. 1 ed. Viçosa: Sociedade Brasileira de Ciência do Solo, 2007.

Dúvidas

Em caso de dúvida entre em contato com a secretaria do PPG-IAC: secretariapg@iac.sp.gov.br; pgiac@iac.sp.gov.br; (19) 2137-0601.

domingo, 9 de setembro de 2018

Alterações na metodologia para análises de teor de argila em solos é recomendada


Nos anos de 2010 a 2011, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento demandou da Embrapa ações para definir, a nível nacional, a padronização da metodologia de determinação da granulometria dos solos, já que a determinação do teor de argila nos solos deveria ser um dos indicadores utilizados para avaliar a qualidade dos solos em projetos de fomento para a agricultura familiar (Ministério..., 2008) e, que diferentes laboratórios vinham até então produzindo resultados discrepantes em função da adoção de diferentes técnicas analíticas. 


A Embrapa Solos liderou então um estudo com diferentes instituições e especialistas nacionais, no sentido de recomendar a padronização e a correção dos procedimentos adotados nos diversos laboratórios, resultando naquela oportunidade no comunicado técnico intitulado PADRONIZAÇÃO DE MÉTODOS PARA ANÁLISE GRANULOMÉTRICA NO BRASIL (Almeida et al, 2012). Nesta publicação foi recomendada alterações na metodologia adotada pela Embrapa até aquele momento (Manual de Métodos de Análises de Solos da Embrapa).

Entre as principais alterações houve a recomendação da inclusão da coleta da fração “argila + silte” e a distribuição do erro em todas as frações granulométricas. Outra recomendação foi que fossem realizados testes para verificar o dispersante químico mais eficiente para análise granulométrica em solos das diversas regiões do país (Almeida et al., 2012).

Atendendo a recomendação da circular técnica, a Embrapa Acre testou a eficiência de três dispersantes químicos para uso nos solos em nossa região: hidróxido de sódio 1 mol L-1; hexametafosfato de sódio (35,7 g L-1); e a mistura desses dois, conforme recomendação da Embrapa (19971) e Camargo et al (2009). Neste estudo, constatou-se que o dispersante predominantemente utilizado (NaOH) deveria ser substituído pela mistura do hidróxido e hexametafosfato de sódio, por ter sido o mais eficiente nos solos de nossa região (SILVA et al., 2014).

No inicio de 2018 a Embrapa Solos publicou uma nova versão do MANUAL DE MÉTODOS DE ANÁLISE DE SOLO (Teixeira et al., 2017). Nessa publicação recomenda-se o uso da análise granulométrica conforme sugerido no comunicado técnico de 2012.
Considerando as diretrizes definidas pelo próprio Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, e a recomendação oficial para os laboratórios de análises de solos no Estado do Acre e de Rondônia, o Núcleo Regional Noroeste da Sociedade Brasileira de Ciência do Solo sugere que a partir de janeiro de 2019, os laboratórios de solos dos Estados do Acre e de Rondônia adotem os novos procedimentos em rotina. 

REFERÊNCIAS

ALMEIDA, B. G.; DONAGEMMA, G. K.; RUIZ, H. A.; BRAIDA, J. A.; VIANA, J. H. M.; REICHERT, J. M. M.; OLIVEIRA, L. B.; CEDDIA, M. B.; WADT, P. G. S.; FERNANDES; R. B. A.; PASSOS, R. R.; DECHEN, S. C. F.; KLEIN, V. A.; TEXEIRA, W. G. Padronização de Métodos para Análise Granulométrica no Brasil. Rio de Janerio: Embrapa Solos, 2012. 11 p. (Embrapa Solos. Comunicado Técnico, 66).

CAMARGO, O.A.; MONIZ, A.C.; JORGE, J.A.; VALADARES, J.M.A.S. Métodos de Análise Química, Mineralógica e Física de Solos do Instituto Agronômico de Campinas. Campinas, Instituto Agronômico, 2009. 77p. (Boletim técnico, 106, Edição revista e atualizada)

EMPRESA BRASILEIRA DE PESQUISA AGROPECUÁRIA – EMBRAPA. Manual de métodos de análise de solo. 2. ed. Rio de Janeiro: Centro Nacional de pesquisa de Solos, 1997. 212p.

MINISTÉRIO DA AGRICULTURA, PECUÁRIA E ABASTECIMENTO. INSTRUÇÃO NORMATIVA Nº 2, DE 9 DE OUTUBRO DE 2008. Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento. Brasília: D.O.U. 10/10/2008. Secção I.

SILVA, L. M.; MARTINS, R. A.; WADT, P. G. S.; VIANA, H. M. ; DONAGEMA, G. K.Dispersantes químicos e tipos de agitação mecânica na determinação das frações granulométricas de solos do Estado do Acre. In: II Reunião de Ciência do Solo da Amazonia Ocidental, Porto Velho: 2014. p. 43-47.

TEIXEIRA, P. C.; DONAGEMMA, G. K.; FONTANA, A.; TEXEIRA, W. G. Manual de Métodos de análise de Solo. 3ª. edição revisada e ampliada: Brasília, DF: Embrapa, 2017. 574 p.


AUTORES: 
Lucielio Manoel da Silva. Analista, Embrapa Acre. Doutor em Biodiversidade e Biotecnologia pela REDE BIONORTE.
Paulo Guilherme Salvador Wadt, Pesquisador, Embrapa Rondônia. Doutor em Solos e Nutrição de Plantas pela Universidade Federal de Viçosa.

sexta-feira, 25 de maio de 2018

Seleção para ingresso no Mestrado e Doutorado em Agronomia Tropical - UFAM

A UNIVERSIDADE FEDERAL DO AMAZONAS - UFAM, por intermédio da Pró-Reitoria de Pesquisa e Pós-Graduação - PROPESP, torna pública a abertura de inscrições para o Exame de Seleção de candidatos para ingresso no II Semestre de 2018 nos cursos de Mestrado e Doutorado do Programa de Pós-Graduação em Agronomia Tropical - PPGATR

Área de Concentração - Produção Vegetal. Linhas de Pesquisas: Desenvolvimento e Produção de Culturas Tropicais e Manejo da Agrobiodiversidade

O período de inscrição para o Exame de Seleção será de 21 de maio de 2018 a 15 de junho de 2018.

As inscrições serão efetuadas por meio do formulário de inscrição obtido no endereço http://www.pgatr.ufam.edu.br/public/content/formularios/71.pdf,

Candidatos residentes ou temporariamente fora de Manaus poderão enviar o formulário preenchido, assinado e digitalizado, no formato .pdf para o
e-mail agronomiatropical.selecao2018@gmail.com


Mais informações em: http://www.pgatr.ufam.edu.br/